Bioquímica do Sangue

nutrição correta e equilíbrio bioquímico do sangue na prevenção de câncer

Câncer se desenvolve em meio ácido, o sangue de uma criança é alcalino, já o sangue de um adulto, um idoso é ácido, à medida que envelhecemos o sangue vai se acidificando, por esta razão é muito mais comum câncer em adultos e não em crianças. Porém, atualmente podemos observar crianças com hábitos alimentares inadequados e que deixam o sangue mais ácido, favorecendo o desenvolvimento de cânceres. O sangue é um líquido alcalino, onde o seu pH ideal varia entre 7,2 e 7,5. O pH é um indicador de acidez ou de alcalinidade de um meio líquido, a escala do pH varia de 0 a 14, sendo o pH 0 o mais ácido e o pH 14 o mais alcalino, o pH 7 é tido com um pH neutro.

Com essa informação, é possível compreender as diferenças entre os alimentos acidificantes e os alimentos alcalinizastes, e com isso entender quais são os efeitos destes alimentos em nosso sangue, como também procurar a equilibrar a bioquímica do sangue através da nutrição adequada.

Muitas pessoas tem a falsa ideia de que a ingestão de um alimento ácido pode tornar nosso sangue mais ácido, e a ingestão de um determinado alimento alcalino tornará nosso sangue mais alcalino, mas isto não está totalmente correto. Um limão por exemplo ele é originalmente ácido, porém, O ácido cítrico do limão, ao é transformado no organismo em citrato de sódio (sal alcalino), carbonatos e bicarbonatos alcalinos, fazendo uma alcalinização do meio humoral, neutralizando ou amenizando estados indesejados de acidez. Sem falar que, estes sais alcalinos são considerados os melhores remédios contra o excesso da viscosidade sanguínea, oferecendo prevenção contra acidentes cardiovasculares. Em paralelo, o limão, com todos os seus demais componentes, fortalece o sistema imunológico, retarda o envelhecimento precoce, bloqueia radicais livres, oferecendo assim proteção contra o câncer e demais doenças. Agora você já sabe, ao contrário do que se pensa, limão é um alimento ALCALINIZANTE.

Com base nisso, devemos buscar por uma alimentação mais alcalina e evitar ou diminuir a procura por uma alimentação mais ácida. Levando em consideração que o mais importante não é a acidez ou alcalinidade no estado original do alimento, mas sim, após a sua metabolização no organismo, como já foi explicado.

Os alimentos após serem ingeridos, metabolizados, dividem-se em dois tipos, que são os alimentos acidificantes e alimentos alcalinizantes, portanto benéficos para nossa bioquímica corporal.

Dentre as fontes nutricionais que mais contribuem para o equilíbrio bioquímico do sangue são eles:

as frutas frescas, frutas secas, folhas verdes verduras e legumes sem agrotóxicos claro. Os alimentos que mais se destacam são o quiabo, o chuchu, a abobrinha e o melaço de cana.

Dentre as castanhas só existem duas apenas que tem ação alcalinizante, é a amêndoa e o pistache, com exceção destas, todas as demais tem ação acidificante em nosso sangue.

as raízes, os tubérculos, que além de deixar nosso sangue mais alcalino ainda fortificam nosso sangue como por exemplo as batatas, mandioquinha, inhame, mandioca, e muito mais, contanto que estes sejam cozidos e preferencialmente sem óleos vegetais ou frituras.

Resumidamente, as frutas, saladas, verduras são saudáveis, podendo ser consumidas diariamente.

Com exceção do que foi mencionado acima, todos os demais alimentos restantes são acidificantes e contribuem para um desequilíbrio da bioquímica do sangue, por esta razão, o seu consumo deve ser moderado. Vejamos agora um pouco dos alimentos que pioram a qualidade do sangue, tornando-o mais ácido:

todos os tipos de carnes, ovos, leite e derivados, proteínas de origem animal, cafeína, álcool, refrigerantes, cigarro, açúcar refinado e frituras com óleos vegetais.

Não podemos esquecer dos grãos e das castanhas, que apesar de serem alimentos acidificantes, tem o lado do benefício nutricional, e, por esta razão devem ser consumidos com moderação e critérios. Entre eles estão:

feijão, grão-de-bico, lentilha e similares, e as castanhas (exceto amêndoas e pistaches, já citados acima), amendoim, castanha de caju, castanha do pará, macadâmias e avelãs.

Cada pessoa possui fatores que não são comuns a todas as outras, e que irão responder a bioquímica do sangue de uma maneira. Entretanto, se o consumo de alimentos acidificantes for regulado, dando mais prioridade aos alimentos alcalinizantes, estaremos contribuindo drasticamente para um corpo saudável e mais resistente ao aparecimento de doenças, entre elas, o câncer.

Uma orientação afim de se manter o equilíbrio do pH do sangue é possuir uma alimentação com cerca de 75% de alimentos alcalinizantes e apenas 25% de alimentos acidificantes. Não sendo isso de modo geral, pois a depender de cada indivíduo esse percentual de alimentos alcalinizantes pode necessitar aumentar de 90% ou até mesmo 100% de alimentos alcalinizantes.

Um sague onde o seu pH é alcalino fortalece todo o nosso sistema imune, prevenindo inúmeras patologias, dando mais disposição e vigor.

A qualidade bioquímica do sangue é quem define diretamente a predisposição a todos tipos de doenças e de nossa capacidade de resistirmos a elas.

ALIMENTOS FORMADORES DE ÁCIDOS NO SANGUE

Espargos, cevada, feijão (seco), carne, pão, trigo, manteiga, castanhas de caju, cereais, queijo, castanhas, frango, chocolate, moluscos, óleo de fígado de bacalhau, queijo curado, Farinha de milho, caroço de algodão, ervilha, caranguejo, nata, ovos, farinha branca, avelãs, nozes de nogueira, mel, carne de cordeiro, lentilhas, lagosta, cavala, Macarrão, xarope, margarina, mariscos, cogumelos, aveia, massas, amendoim, ervilhas, nozes, romã, carne de porco, ameixa, marmelo, arroz, nabos, centeio, chucrute, salmão, esparguete, açúcar, xaropes, tapioca, peru, nozes, trigo, gérmen de trigo.

ALIMENTOS QUE AUMENTAM A ALCALINIDADE NO SANGUE

Ágar-ágar, couve, amêndoas, maçãs, alcachofra, banana, beterraba, folhas de beterraba, amoras, brócolos, couve de Bruxelas, bardana, repolho, melão, alfarrobas, cenoura, couve-flor, aipo, acelga, cerejas, cebolinha, coco, pepinos, figo (seco), linhaça, alho, uvas, toranja, (doce), goiaba, alga marinha, repolho, alho-porro, limões, alface, limas, framboesas, manga, melão, milho, menta, melaço, amoras, melões, mostarda, nectarinas, quiabo, azeitonas, azeite, cebola, laranja, mamão, salsa, maracujá, pêssego, pêra, caqui, abacaxi, ameixa, abóbora, rabanete, uva, framboesa, ruibarbo, alface, soja, espinafre, abóbora, morangos, tangerina, nabos, óleos vegetais, agrião, melancia.

CONSEQUÊNCIAS DE UM ORGANISMO ÁCIDO

 Diminui a capacidade do corpo de absorver mineral e/ou outro nutriente
 Diminuirá a produção de energia nas células
 Diminuirá a capacidade para reparar células danificadas
 Diminuirá a capacidade do corpo se desintoxicar dos metais pesados
 Favorece o aumento e propagação de células cancerígenas
 Torna o corpo mais suscetível a cansaço e a doenças

Tópicos relacionados

O Perigo dos Óleos Vegetais
Ghee - O Ouro Líquido